Resenha | Sangue de Tinta - Cornelia Funke

Sinopse: "Sangue De Tinta" dá seguimento à aventura de Meggie e seu pai, Mo, um encadernador de livros que tem o estranho dom de dar vida às palavras dos livros que lê em voz alta, fazendo seres das histórias surgirem à sua frente como que por mágica. No primeiro volume da trilogia "Mundo De Tinta", a língua encantada de Mo traz à vida alguns personagens de um livro chamado "Coração De Tinta", e acaba mandando para dentro da trama a mãe da menina.
Agora, neste segundo episódio, Meggie dá um jeito de entrar ela mesma no mundo fictício de Coração de tinta, onde tem o prazer de encontrar fadas, príncipes e saltimbancos que dançam com o fogo; e o sofrimento de acompanhar as artimanhas de vilões cruéis e sem misericórdia. Uma jornada sombria, repleta de fantasia e aventura.
















Edição: 1

Editora: Companhia das Letras

ISBN: 9788535915761

Ano: 2009

Páginas: 560

Tradutor: Sonali Bertuol


















Nota: Essa resenha pode - e vai - conter alguns spoilers de Coração de Tinta. Vou tentar escrever de um modo com que vocês mesmos possam descobrir, e deixar uma pitada de curiosidade, mas mesmo assim, serão necessários leves spoilers.


Carne de papel. Sangue de Tinta.

Nesta segunda aventura, logo após os ocorridos de Coração de Tinta, quando as coisas finalmente se acalmam, Dedo Empoeirado finalmente consegue convencer um leitor a lê-lo de volta ao seu lar, o encantador Mundo de Tinta, mas não foi Língua Encantada (que já havia deixado bem claro não querer mais ler coisas em voz alta, depois dos trágicos acontecimentos), e sim um homem baixinho, que se nomeia Orfeu - porém, sua personalidade e caráter estão longe dos do original -, uma das poucas pessoas que tem o dom de trazer os personagens para fora dos livros, mas ele deixa Farid e Gwin. E o menino procura Língua Encantada, para pedir-lhe que o mande para dentro das páginas, esperando viver com seu mestre. O que ele não sabe, é que a marta foi deixada propositalmente, pois no livro de Fenoglio, ela provoca a morte de seu senhor.
Na casa feita de letras - literalmente - Meggie continua encantada com o universo criado por Fenoglio, mesmo depois de tudo que aquele mundo causou a ela e sua família. Meggie descobre que pode ler a si mesma para dentro das histórias, e assim o faz, junto com o menino... e a marta.

Quando Mortimer e Resa descobrem, ficam desesperados, mas como em toda boa história, uma reviravolta acontece, e um personagem fútil, ganancioso e (infelizmente) bem inteligente... Orfeu, com a ajuda de Mortola, joga aos dois ao Mundo de Tinta, o lugar que destruiu suas vidas e sua família. Lá eles descobrem as atrocidades de Cabeça de Víbora, um vilão muito pior que Capricórnio, Mo quase é morto, por o confundirem com um personagem que ele não é... Pelo menos ainda; E Meggie descobre as coisas encantadoras que existem no mundo de tinta; suas cores, sua vida, seu cheiro e seus povoadores. Porém ela descobre também sobre o seu lado sombrio, o mal que impera sobre aquele mundo nestes tempos, as atrocidades cometidas por seu superior... E descobre cada vez mais sobre o seu dom- o qual administra cada vez melhor -, os atos em que pode o utilizar, e ele também tem dois lados. O ruim envolve tortura e morte.
“As histórias nunca têm fim, Meggie, embora os livros gostem de nos enganar a esse respeito. As histórias sempre continuam, não terminam com a última frase, assim como não começam com a primeira.” 
— Mo
Nesta fantástica continuação, para salvar o Mundo de Tinta eles precisam do Gaio, e sem ele nada será possível. Será que seu ator irá escolher por interpreta-lo? Com a ajuda dos ladrões, povo colorido e outros amigos, é iniciada uma luta pela salvação de Ombra, de todo aquele mundo. E principalmente, uma batalha contra a cruel Víbora.




Tão fantástico quanto seu antecessor!

Eu já citei o jeito maestral com que Funke conduz sua trama na minha crítica de 'InkHeart', mas sou obrigada a lembrar-lhes isto agora, é incrível, ela consegue fazer tudo se encaixar, e mesmo assim deixar os mistérios sobre o seu mundo para terem uma conclusão imaginada por nós; estes momentos tensos são muito bem montados - assim como toda a história. A escrita da autora é notável, ela descreve o que está ao redor dos seus personagens fazendo-nos imaginar exatamente aquilo, e sem usar uma escrita chata e cansativa, mas exatamente o oposto, fazendo-a ser única e engraçada. Seus cenários são bem descritos, não posso dizer que seja uma leitura rápida, mas é uma leitura boa, que nos faz saborear bem o seu livro.

“Não é estranho como um livro fica mais grosso depois de ser lido várias vezes? Como se cada vez ficasse algo grudado entre suas páginas. Sensações, pensamentos, ruídos, cheiros… E então, quando folheia novamente o livro depois de muitos anos, você descobre a si mesmo ali, um pouco mais novo, um pouco diferente, como se livro tivesse guardado você, como uma flor prensada, estranha e familiar ao mesmo tempo.”
 — Mo
A autora pretendia escrever um só livro, e percebemos isso pois Coração de Tinta teve um belo final, mas ela disse que precisava escrever mais sobre o Mundo de Tinta, e eu sou extremamente grata por isso. Essa segunda aventura é tão boa quanto a primeira, tem uma boa história e bons personagens, tanto os novos quanto os antigos. Fora seu maravilhoso cenário, com cores vida, mágica... e sinceramente achei também o lado obscuro do Mundo de Tinta muito bonito - Cruel, mas bonito.  E o nosso novo vilão principal Cabeça de Víbora (A Víbora) , se destaca muito mais que o primeiro, Capricórnio era cruel, Víbora é mais, mais cruel, impiedoso e insensível. É um vilão muito bem construído, sua maldade é de família, seus atos são para causar impacto e mostrar quem governa. Isso ajuda na 'beleza' das sombras.
“Quem disse que as pessoas ruins não podem ser felizes?”
Outra coisa que tenho de comentar é o romance Meggie e Farid, certamente todos irão de apaixonar por eles, pela 'inocência' do primeiro amor. Acho que esta pitada de amor era o que precisava ser acrescentado para aprimorar o livro. Uma coisa que me deixou com raiva foi o egoísmo de Meggie, em, mesmo sabendo o que havia acontecido com suas vidas ter feito aquilo, sabendo que ia trazer sofrimento a todos a seu redor. Eu sou suspeita para falar, pois existem muitas chances de minha escolha ser a mesma, e isso é frustrante.
Vale a pena citar é o capricho da editora com o livro, a capa da Cornelia é perfeita, não encontrei nenhum erro de ortografia, as páginas são amareladas e com uma boa textura, a Cia. das Letras está de parabéns!

InkSpell, é incrível, maravilhoso, muito mesmo! O li a quase dois anos e lembro que tive uma imensa ressaca literária, que tinha sede de mais, uma sede descontrolada de mais palavras, palavras daquela autoria. Palavras daquele mundo..

"...certamente não acreditaria que existem palavras que podem definir um destino, palavras que eram como caminhos invisíveis dos quais não havia como escapar."

Nota:

5/5  - Favorito


Aguardo a opinião de vocês sobre a resenha, ok? Espero que tenham gostado e se interessado quanto a trilogia. Logo, logo, postarei minha crítica sobre o último (mas como demorei 2 dias para conseguir expressar algo sobre este, vou começar a escreve-la desde já), e de coração mesmo, espero que leiam e que se aventurem tanto quanto eu.

Até mais,


Próximo
« Prev Post
Anterior
Next Post »

1 comentários:

Click here for comentários
quarta-feira, maio 14, 2014 ×

Eu sou apaixonada por essa trilogia. Li o primeiro livro mais de uma vez, mas só esse mês eu consegui comprar os dois ultimos volumes da série e estou louca pra começar a ler.

http://www.entreosmeusdramas.com.br/

Selamat Débora Costa dapat PERTAMAX...! Silahkan antri di pom terdekat heheheh...
Balas
avatar
admin
Obrigada pelo seu comentário! Ele é muito importante para o crescimento do blog. E blogueiros, se gostaram realmente do que leram e quiserem deixar os links dos seus blogs, retruirei com prazer um comentário com conteúdo :D